Geração Coca-Cola

19 05 2007

Há alguns anos, enquanto visitava alguns irmãos na cidade de Monte Verde/MG, eu li, numa parede, uma frase que me impressionou: “Os crentes gastam mais com Coca-Cola do que com aquilo em que dizem acreditar: Missões”. Essas palavras mexeram comigo. Como eu posso investir mais na Coca-Cola do que na pregação do Evangelho? Como eu posso dizer que amo Jesus se eu não amo aqueles a quem Jesus ama? E se eu digo que amo aqueles a quem Jesus ama, por que eu não demonstro isso? Por que eu não prego o evangelho? Por que eu não invisto em Missões? O Senhor Jesus afirmou que o único que O ama é aquele que tem os Seus mandamentos e os obedece (João 14.21). O amor está necessariamente relacionado à obediência. O amor não são sentimentos e nem arroubos suspirantes. O amor não é melação e nem palavras adocicadas. O amor é revelado nas atitudes. E a atitude que revela o amor é a obediência. Se eu amo o Senhor Jesus, como eu digo que amo, então, eu o obedeço.Chega de palavras vazias! Chega de sentimentalismos histéricos! Chega de performances inúteis! Chega de reuniões de mero entretenimento! Deus está cansado de todas essas coisas (Isaías 1.14). Deus espera justiça. Ele aguarda pela obediência mais do que por palavras bonitas. De que adianta alguém dizer que ama a Jesus se não obedece aos seus mandamentos? Quais foram as últimas palavras deixadas pelo Senhor Jesus? “Foi me dada toda a autoridade nos céus e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações…” (Mateus 28.18-19). E em outro lugar: “Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas” (Marcos 16.15). E, no livro de Atos: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda Judéia e Samaria, e até os confins da terra” (Atos 1.8).

Se esse é o mandamento de Jesus, por que ainda o evangelho não foi pregado em todo o mundo? Por que não foram feitos discípulos de todas as nações? Por que as testemunhas não foram até os confins da terra? Por que a igreja tem sido desobediente? Por que os olhos dos crentes não conseguem enxergar mais longe? Por que o coração não se dispõe a obedecer? Por que cada cristão não se dispõe a contribuir para que a ordem de Jesus seja obedecida? Onde está o amor da igreja? É muito fácil apontar o dedo para a igreja, acusá-la e julgá-la. É muito fácil dizer: “Eles não estão fazendo!”. Mas quando eu faço isso, certamente, estou esquecido de que eu sou a igreja. Não é o outro que não está fazendo. Sou eu que não estou fazendo. Sou eu que não estou obedecendo. Sou eu que tenho investido mais em Coca-Cola do que naquilo em que eu digo acreditar. Se eu digo que acredito em Jesus, por que não invisto em Sua causa? Por que não obedeço as Suas Palavras? Por que eu dou os meus recursos para a Coca-Cola, e, não, para o Reino de Deus?

Um compositor secular respondeu a essa pergunta com uma expressão: Vivemos na “Geração Coca-Cola”, ou, em outras palavras, na geração do consumo. Vivemos em meio a uma geração consumista, egoísta, narcisista que está preocupada somente com os próprios interesses e anseios individuais. Vivemos em meio a uma geração cuja maior preocupação é com o bem estar pessoal.

É a geração do entretenimento!!! Enquanto os cidadãos mergulham e se entorpecem no entretenimento, eles se esquecem dos outros que padecem do outro lado da rua, do outro lado da cidade, do outro lado do país e do outro lado do globo. Enquanto o indivíduo se embriaga com a sua Coca-Cola e se empanturra com o saco de pipoca, ele ignora que um outro morre de fome e sem Deus no mundo.

A sociedade está tão enfeitiçada pela mentalidade Coca-Cola que até mesmo dentro da igreja se levantam os defensores desse tipo de geração consumista. Surgem aqueles profetas da prosperidade que, egoisticamente, só pensam em prosperar para si mesmos, levantando maiores riquezas e maiores celeiros. “Loucos!!!” foi a sentença de Jesus para essas pessoas que entesouram para si mesmas e não são ricas para Deus (Lucas 12.21).

A loucura, segundo Jesus, está em investir naquilo que não tem retorno eterno. Tais investimentos, é verdade, podem produzir um pouco de entretenimento, algumas gargalhadas, uma sensação de satisfação pessoal e uma alegria jubilosa. Contudo, todo o prazer desse investimento é passageiro. Ele acaba quando acaba o refrigerante da nossa latinha de Coca-Cola.

Pastor Gustavo Borja Bessa

www.diantedotrono.com





O SIMBOLISMO E OS PERIGOS DO PIERCING E DA TATUAGEM

16 05 2007

  O Dicionário de Simbolos de J.E. Cirlot diz que “o simbolismo ge­nérico engloba tatuagem e ornamentação como atividade cósmica,incluindo sentido sacrificial, místico e magico’ veja alguns pontos: 

1.  A tatuagem pode ser um sinal de propriedade e pacto místico

No oriente (China, Japão), a tatuagem estava vinculada às divinda­des configuradas no símbolo. Os líbios tatuavam-se para a deusa Neit, os egípcios para Atargatis e na Síria para deuses diversos.”

“Na antiguidade, a tatuagem associava-se ao culto dos deuses-demoní­acos e era praticada durante ritos dedicados por feiticeiros. O sangue que brotava das feridas, o qual, segundo criam, levava consigo os espí­ritos malignos.”
‘Dá idéia de consagração.” O
pacto era feito para se incorporar a entidade do desenho: escorpião, demônios I Co 10.20-21).
 

2.  A tatuagem pode identificar o grupo e ser usada como talismã

Na Polinésia identificava o clã e a hierarquia. Na Europa do séc. XVII ela passou a ser propagada pelos marujos como talismã, distinguindo-os dos demais. ‘3’A mafia japonesa, yakuza, surfistas, metaleiros, presidiários, fazem o mesmo. Os nazistas tatuavam judeus para ofenderem sua fé (1 Co 3.16-17; 6.19-20; 1 Ts 5.5).’ 

3.  A tatuagem pode expressar anarquismo e rebeldiaA palavra

Tattoo, propagada por James Cook, refere-se ao som dos ossos finos usados na aplicação da tatuagem. A máquina elétrica foi patenteada por Samuel O’Relly em 1891, cm Nova York, e che­gou ao Brasil em 1959. A onda atual que inclui o piercing vem dos hippies  e punks e da influência do rock pesado. Essa herança comunica rebeldia a Deus, à família e às autoridades. Defende a liberdade sexual e a Nova Era (Ef 5.6-13; 1 Ts 5.22; Cl 3.17; 2.6). 

OS PERIGOS DA TATUAGEM E A BÍBLIA 

Este estudo fala apenas da origem da tatuagem. Muitos a usam por ra­zões próprias(J Co 8.9; Rm 14.12). Mas, há riscos de contrair o vírusHIV hepatite, infecções bacterianas e virais. Se você fez a tatuagem sem orientação, a liderança da Igreja local lhe dirá como agir. “…e escrita de tatuagem não porei em vós” (A Torá – tradução judaica).“Não façam cortes no corpo por causa dos mortos, nem tatuagens em si mesmos” (Lv 19.28 – NVI – Nova Versão Internacional da Bíblia).  

O SIMBOLISMO E OS PERIGOS DO PIERCING

A revista Época de 25/02/2 002 aponta diversos perigos do piercing: 
Língua Pode provocar fendas nos dentes e infecção geral.
Sobrancelha Inchaço e dor impedem a higienizaçãocorreta do local e abre caminho para infecções.
Umbigo A pele pode ficar irritada com reações alérgicas.
Nariz Danifica os vasos sanguíneos e produz cicatrízes 

Em Ex 21.6 perfurar a orelha simbolizava um pacto de escravidão. Ro/and de Vaux, ex-diretor da École Biblique de Jerusalém, diz: “As leis antigas da Mesopotântia presumem que o escravo seja marcado, conto uma rês, com uma tatuarem um estigma feito com ferro em bra­sa ou ainda com unta etiqueta presa a seu corno (Dt 15.17). ...Sinal de identidade, como as tatuagens dos cultos helenísticos. 

UM SINAL DE ESCRAVIDÃO 

Deus aprovaria algo que chega a mutilar o templo do Espírito Santo? Veja o alerta que a Bíblia faz em Cor 3.16-17. Existe a tese de que os locais mais perfurados estejam relacionados à salvação e que, co­mo certos adornos, o piercing constitui uma tranca que aprisiona a alma (Ez 13.18-2 1). Um sinal visível de escravidão espiritual. Leia os textos abaixo, faça sua própria avaliação e tire suas conclusões: 1. Nariz – fôlego devida (Gn 2.7; 7.22-24; Is 2.22, 42.5; Ec 3.19, 21)2. Boca – confissão (Ro 10.8-9;IJo 1.9; Mt 15.18;21.16; Tg 3.10; Pv 21.23)3. Sobrancelhas (olhos) – mente (Mt 6.22-23; Ef 1.17-18, 4.18; II Co 4.4)4. Orelha – ouvir e crer (Ro 10.14-18; Hb 3.15; Is 6.10; Jr 17.23; Ap 3.6)5. Umbigo (ventre) – sede da vida (Jo 7.38-39; 4.14; Fp 3.19; Ro 16.18) Segundo a Clínica Mayo (EUA), numa pesquisa feita com 454 estudantes, um em cada dez usuários do piercing sofreu infecção. A Universidade de Yale informou que uma garota de 22 anos sofreu infecção no cérebro, causada por um piercing de língua. As bactérias da boca chegaram ao cérebro pelo sangue. Você sabia que a lei 9.828/97(SP) proíbe essa prática para menores e que A. La Vey, fundador da Igreja de Satanás defendia a tatuagem e o piercing, por entender que são rejeitados em Lv 19.28 e Dt 14.1-2, e que cer­tas tatuagens são propagandas do mal?(Lc 10.18-20; 10.3; 20.2). O que você diz de Is 3.18-21, 1 Cor 3.16.17; 6.19-20, Rm 12.1-2? 

O CRISTÃO DEVE USAR PIERCING OU TATUAGEM? 

O  pluralismo corrói insidiosamente o cristianismo. Para muitos o piercing e a tatuagem é apenas uma questão cultural. Entretanto, “o Evangelho nunca é o hóspede da cultura; ele é sempre seu juiz e redentor,” pois parte dela é demoníaca. O cristão está na contra­mão (Tg 4.4; 1 J0 2.15; Rm 12.1-2). Que prática você deve rejeitar? 

1.   Se traz escândalo ou fere a consciência alheia (Mt 18.7; Rm 14.21)

2.    Se deforma a dignidade humana (II Cor 4.2;Cl 3.17; 1 Cor 6.12)

3.    Se a natureza da prática dá lugar à carne, envolve magia, ocultis­mo, idolatria, exploração, malignidade (Gl 5.13;Cl 3.17;IPd 1.14-25)

4.    Se apresenta alguma aparência do mal (1 Ts 5.22; Ef 5.8; Mt 5.13-16)

5.    Se viola a autoridade dos pais, pastor, governo (Rm 13.2; Tt 1.9-10)

6.    Se traz dúvidas ao coração ou à consciência (Rm 14.22; 1 Jo 3.20)

7.    Se não traz edificação ou a glória de Deus (1 Cor 6.19-20; 10.23) Para J.R. Stott “somos diferentes de tudo no mundo que não é cris­tão e esta contra-cultura cristã é a vida do Reino de Deus.” Por fim, H.R. Niebuhr apresenta Cristo como o transformador da cultura.  

É VERDADE QUE A VOZ DO POVO É A VOZ DE DEUS? 

A Moda, a Liberdade e a Cultura da Imagem Fausto Rocha responde: A voz do povo não é a voz de Deus,  o povo que gritou: Fora com este (Jesus). Crucifica-o! (Lc 23.18-23) Não é porque bilhões de moscas visitam o lixo diariamente que você fará o mesmo. A realidade virtual explorada nos veículos cul­turais (TV internet, cinema e a arte), comandada por inteligência artificial transformou-se na própria cultura. Dita a moda, valores e padrão de vida, aversos a Deus. As perguntas abaixo guiarão você: 

1.    Isto prejudicará outros ou fará mal ao meu corpo? (1 Cor 8.9-13)

2.    Em meu lugar, o que faria Jesus? (1 Pd 2.21;I Jo 2.6;C1 2.6;Jo 13.15)

3.    Posso testemunhar da minha fé enquanto faço isso? (1 Pd 3.15)

4.    Minha consciência terá paz se eu fizer assim? (ITm 1.19;I Jo 3.10)

5.    Meu pastor está de acordo com essa atitude? (Hb 13.7,17; Rm 13.2) Conforme a confissão de Westminste, “Todo o conselho de Deus concernente a todas as coisas necessárias para a glória Dele e pa­ra a salvação, fé e vida do homem, ou é expressamente declarado na Escritura ou pode ser lógica e claramente deduzido dela.”